A arte de viajar sozinho

Rodar o mundo sozinho, uma das melhores maneiras de viajar

Sempre gostei de andar em grupo. Sempre me sentia mal andando sozinho.

Nunca tinha reparado nesse padrão, nunca tinha nem pensado na possibilidade de valorizar os momentos solo. Imagina se eu iria cogitar fazer alguma viagem sozinho. Só de pensar nisso, já ficava aterrorizado.

Entretanto, ir para fora do país por um longo período me fez perceber que eu não estava sozinho nessa. Enxerguei que não só eu, mas também grande parte dos brasileiros andam, mesmo que de forma involuntária, em grupos.

Comecei a questionar a razão disso e logo comecei a formar minhas teorias. A solidão, o fato de estar só, acaba sendo visto no Brasil como algo não tão positivo.

Afinal, aprendemos que o certo é andar em grupo. É estar rodeado de pessoas, de amigos. É ser visto andando com gente, afinal além de mais seguro, isso ainda transmite aos demais status do quão descolado, sociável se é em nossa sociedade.

Curiosamente, morar e viajar para fora me fez começar a reparar no quão independentes, certas pessoas, de quase todos os cantos do mundo eram em relação a nós brasileiros.

No começo do meu intercâmbio, ao ouvir que uma amiga brasileira iria viajar sozinha por quatro países do Sudeste Asiático, lembro-me do quanto a achei corajosa e até meio inconsequente de se mandar sozinha em sua viagem.

Tolice minha. Foi a mais pura mescla de um pensamento machista enraizado por anos de uma ignorância não percebida, com a ingenuidade de alguém ainda bem imaturo culturalmente.

Você deve estar pensando, e como foi a viagem pelo sudeste asiático?

mercado flutuante na ásia

Mercado flutuante na Tailândia

A menina teve uma viagem da vida provando para o ingênuo rapaz, que até então não cogitava viajar sozinho, o quão ultrapassado e ignorante eram os seus pobres pensamentos.

Nas viagens seguintes, ainda não tinha reunido coragem suficiente para me jogar sozinho no mundo. Contudo, a cada viagem realizada na companhia de amigos, ia percebendo cada vez mais o número expressivo de viajantes solo que lotavam os hostels.

Homens e mulheres de todas as idades, da sua maioria de algum canto da Europa ou dos EUA, Austrália ou Canadá, viajavam sozinhos como se isso fosse a coisa mais normal do mundo.

E na real? De fato é.

Sempre que estava na Ásia e encontrava algum grupo de amigos e amigas reunidos em viagem, a chance era muito grande de serem ou brasileiros ou de algum outro país latino americano.

Foi aí que comecei a pensar que talvez pudesse fazer diferente. Se via meninos e meninas com não mais que 20 anos, viajando a Ásia sozinhos, porque é que eu não conseguiria também?

Na primeira oportunidade que tive, me joguei sozinho na estrada, rumo ao Vietnã. E posso dizer a verdade? Não me vejo viajando acompanhado de novo tão cedo.

Viajar sozinho é estar só somente entre o avião e o seu Hostel. Alguns passos sozinhos até o mundo das pessoas que querem te ajudar ou, unicamente, socializar. Seja você extrovertido ou introvertido, não importa. O ambiente vai te forçar a interagir com os outros viajantes.

Em questão de minutos, vai perceber que está rodeado de pessoas, afinal, nos dormitórios de seu hostel tem dezenas de outros backpackers que assim como você, também se mandaram desacompanhados para a trip.

Quando menos perceber, vai fazer, em dias, amizades de infância com gente do mundo todo. Vai ter as histórias mais engraçadas e vai passar pelos acontecimentos mais imprevisíveis. Surgirão ainda, aqueles amores de viagem que vão ficar marcados pra sempre na sua memória.

Viajar sozinho é…

viajante sozinho

Estar aberto a novas realidades, é desafiar tudo o que sempre acreditou. Uma trip solo te dá toda uma autonomia para fazer o que quiser. Você terá a liberdade da escolha, de poder fazer tudo o que sempre quis quando quiser.

Viajar só é estar imerso num mundo de descobertas, inclusive de descobrir quem você mesmo é. Você não precisa se esconder atrás de uma máscara, afinal, quem ali te conhece? Você, sem dúvida, aprende a aproveitar a própria companhia.

O aprendizado de curtir seus momentos a sós com seus pensamentos te faz valorizar o seu próprio espaço, te mostra a importância de saber separar um tempo para si mesmo.

O paradoxo mais fantástico de uma viagem solo, é que ela vai não só te apresentar pessoas incríveis que de outro modo você não conheceria. Assim como também, após a viagem, ela vai te fazer atrair e valorizar as pessoas que vão saber respeitar o tempo que você precisa ter consigo mesmo.

Quer aprender a viajar o mundo?

Deixa seu email com a gente que vamos te contando tudinho!