Você é um viajante ou um turista?

Mas não é a mesma coisa? Não, são duas coisas COMPLETAMENTE diferentes.

 

Muito se diz sobre viagens, sobre o turismo e de como esses termos se relacionam. Entretanto, hoje mais do que nunca, é grande a diferença entre essas duas palavras.

Ser um turista é o efeito de se turistar. Este pode ser visto como o deslocamento físico para um dado local, abrindo mão, inconscientemente, de qualquer deslocamento mental ou espiritual, uma vez que os pensamentos e espírito nunca deixam de sair de casa.

Por outro lado, ser um viajante é uma consequência da ação de viajar. Esta pode ser definida como o processo de deslocamento físico para algum outro lugar, trazendo consigo, todos os seus pensamentos e energia de espírito.

Turistas viajam para dizer que foram; viajantes se mandam para ficar imersos no mundo.

Imagem que ilustra a diferença entre o turista e o viajante.

 

Turistões não vão para suas viagens para experimentar o novo, o desconhecido.

Eles vão para dizer que foram. O ideal para eles é compartilhar como são felizes e super viajados.

Viajantes sonham se perder por cidades estrangeiras. Estão em busca de propósitos, de se encontrar em suas aventuras pelo mundo.

Suas ideias é o de estar imerso na experiência, é o de voltar a ser criança mais uma vez e estar sempre a procura de entender o ambiente a sua volta.

 

Turistas sonham com sua casa, enquanto que o viajante sente que sua própria casa é a viagem.

Os viajantes de verdade sabem que casa não é um lugar estático. Turistas sentem falta de suas camas, de sua comida de casa e perdem a fantástica oportunidade de de aproveitar sua viagem.

O mochileiro se sente em casa onde quer que venha a descansar. Ele sabe que não tem nada melhor do que acordar em um lugar completamente diferente.

Estes indivíduos não acreditam em zona de conforto e é isso que os fazem tão especiais.

 

O turista mantém o padrão alimentar de sempre. O viajante só come o que for diferente de tudo que já provou.

Um turistão não muda seus hábitos alimentares nem em viagem. Ataca de tudo que sempre comeu em casa e não está disposto a provar novas culinárias.

Sua pegada está no conforto e segurança de optar pelo conhecido, em tudo aquilo que já sabe que gosta e que sempre comeu desde que nasceu.

O viajante raiz vai com sua cabeça totalmente aberta para provar de tudo do local em que for. Afinal, qual a graça de ir para um lugar diferente e comer tudo aquilo que já come em casa?

O foco é sempre comer o de mais típico e local possível, se arriscando até as vezes, em comer nas barraquinhas de comida espalhadas mundo afora.

 

O turista preza por uma viagem de confortos e comodidade. O viajante acredita no mantra da viagem sem frescuras.

 

Pegar táxi, um ônibus turístico, ou contratar um guia turístico/ motorista particular para a sua viagem. O que é cômodo e prático, independente de preço ou não, vai ser sempre opção do turista.

Já o viajante acredita em outro viés. Para ele, viajar de verdade é andar tudo a pé mesmo, pegar transportes locais públicos e se aventurar pelas cidades fazendo seus próprios roteiros e itinerários.

Turistas andam em colônias; viajantes constroem suas tribos lugar a lugar

 

Turistas andam em um bando de cinco pessoas pra cima, sendo todas do mesmo país. Os turistões andam em verdadeiras colônias de seu país no exterior, só interagindo maior parte do tempo com seus compatriotas.

Viajantes raiz nunca deixam de se relacionar ou viajar com pessoas de seu país. Entretanto, eles têm a maturidade cultural suficiente de saber que todas as pessoas são igualmente importantes independente de sua nacionalidade.

Eles vão procurar se misturar com outros viajantes ou nativos com backgrounds completamente diferentes, a procura de toda uma troca cultural.

 

Turistas viajam pesados de equipamentos e de pensamentos. Viajantes viajam leves de tudo.

Foto que mostra a viajante no meio de sua aventura

Os corpos dos turistas estão em viagem, mas suas mentes se encontram no mesmo local de sempre. A cabeça está no trabalho, nos problemas de casa.

Seus pensamentos estão na ansiedade do que os amigos, familiares, namorados ou namoradas estão fazendo, ao invés de estar vivendo o momento.

Os turistões levam consigo todo um armário de objetos, roupas e tudo o que acredita que vai ser fundamental para a viagem. As melhores roupas, o smartphone da última geração e/ou qualquer outro material que te faça ou ajude a sair bem nas fotos das redes sociais.

O viajante vive o momento. Ele está aproveitando cada pedaço daquela viagem. Sua cabeça está capturando cada detalhe dos mais curiosos e intrigantes aspectos do local em que está, e do povo que ali habita.

Suas ideias estão totalmente direcionadas para conhecer outras pessoas. Seu coração está aberto para novas amizades, aventuras e oportunidades que surgirão pelo caminho.

Por fim, ele viaja leve. Leve de pensamentos de casa, de objetos materiais, mas com o coração transbordando de excitação com cada momento da viagem que está sendo sentido e vivido.